De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...
 

O lugar da infância

Ao entrar na Ponte de Arrábida, já se sente o Porto.

Sente-se a aspereza do vento norte.

Para a esquerda avista-se o mar e a Foz do Douro.

Para a direita, o velho Porto granítico com o seu casario cinzento a brilhar ao sol do fim da tarde. Parece uma cidade feita de prata, prata antiga, cinzenta, por polir.

Tentei evitar a cidade do Porto.

Hoje prefiro confrontá-la, estar com ela.

Continua a ser uma cidade incompreensível para mim.

É uma cidade dura, sem concessões.

Talvez tenha prazer, orgulho de me confrontar com a cidade e sair inteira, intacta.

O prazer de ter sobrevivido àquela cidade.

E com o orgulho de ter vencido, vem a ilusão de ainda ser jovem.

Se venci o Porto, não posso ser uma velha.

O Porto simboliza no meu interior, a minha própria solidão.

Se a minha solidão fosse uma cidade, seria a cidade do Porto.

Sigo para Matosinhos, onde nasci e vivi. Terra dos meus antepassados.

Passo perto da Quinta de Monserrate, mas não quero avistá-la.

Vejo andaimes ao longe e um prédio muito alto em construção a tapar a nossa capela.

O lugar onde eu nasci, morreu.

Construiram campos de padel no lugar da minha infância.

Dirijo-me para Leça da Palmeira, praia da minha infância.

Hospedo-me no Holliday Inn.

Começo a sentir-me em casa.

Sinto um apaziguamento, há uma calma que chega… como se alguém me tivesse feito uma caricia!

Sinto-me despreocupada, alegre.

Como se estivesse na casa onde nasci, mas a casa onde nasci morreu.

Não tenho onde deitar a minha infância, a minha infância não tem onde dormir.

À noite, no quarto do hotel, olho a televisão e os seus imensos canais estrangeiros.

Ouve-se o ruído do ar condicionado e o dos elevadores, toda a noite.

Homens de negócios, de fato e gravata, passam no corredor “com ar de chateados”, mortos por irem para casa dormir na sua própria cama. Mas, por vezes, há crianças e pais que falam alto à procura do quarto.

A alegria das crianças, os pais a ralharem, elas a gargalharem, transformam por completo o ambiente cinzento e triste de um hotel para negócios, pegado à Exponor.

São interregnos de alegria, de graça, de colorido, naqueles corredores de alcatifa sinistra.

 

Estou à procura da casa da minha infância.

Estou à procura do meu quarto de criança, através dos quartos de hotéis onde tento dormir.

Estou à procura de um sentimento de serenidade.

Estou à procura da restituição de um quarto infantil.

 

Manuela Carona
Julho 2023

Fotos de Manuel Rosário

Partilhar
Escrito por

Actriz, nasceu em 1947, natural do Porto, vive em Alfama

COMENTAR

Últimos Comentários
  • Avatar

    Mais um belo texto, Manuela. Parabéns.