De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...
 

O Bar (cadavre exquis 1)

Paulo Samu Gundo bateu com força a porta ferrugenta do cansado Toyota Corolla de um azul desbotado pelo sol. O carro está mesmo a ficar velho, pensou enquanto dava umas moedas ao mufana que o ficava a guardar.  Tinha conseguido arranjar um lugar à sombra de uma velha acácia naquele fim de tarde quente da baixa de Maputo. O alcatrão estava mole debaixo dos seus Gucci de imitação. No céu amontoavam-se as nuvens escuras que anunciavam a tempestade do fim do dia.

Com um passo decidido Paulo dirigia-se para a estação de caminhos ferro, era um jovem alto atlético de sorriso franco. A sua roupa era informal mas impecavelmente cuidada. Dava a impressão de um jovem playboy elegante. Pensava nas palavras do inspector Matsimame da Judiciária com quem trabalhava há poucos meses. “Vai ao bar da estação dos Caminhos de Ferro e procura a Fátima Beneguana. Ela vivia com a Benvinda Mesquita, aquela que foi encontrada cortada aos pedaços junto à ponte da Costa do Sol. Talvez ela te possa dar alguma pista para solucionar o caso”.  Uma missão um pouco vaga, pensava Paulo, mas o faro do inspector Matsimane era lendário na Judiciária.  Nunca deixava de o espantar como é que um homem velho, preso a uma cadeira de rodas, que quase nunca saía daquela sala enorme, cheia de dossiers, sabia tudo quanto acontecia na cidade.  Como é que, sem hesitar, pedia ao Paulo para subir à estante e retirar exatamente o dossier que era preciso para fazer avançar as investigações.  Como é que mesmo aqueles tipos sinistros da SISE lhe tinham respeito e lhe vinham pedir conselhos.  Benvinda Mesquita era uma jovem elegante, de tez clara, olhos verdes, muito conhecida na vida noturna de Maputo, vista em todos restaurantes elegantes e boîtes, sempre na companhia de mulungos ricaços.  Não tinha emprego conhecido de acordo com a ficha da SISE e recentemente, assinalava a ficha, era vista com Patrick Lebranleur, chefe de fila do grupo francês que estava a investir no gás natural de Cabo Delgado.

É curioso, pensava Paulo, afinal nasci em Maputo e nunca entrei na estação, nem andei de comboio.  O enorme e fresco átrio estava escuro e quase vazio. Decididamente os comboios já não eram tão importantes como dantes, pensou.  Enveredou pelo cais da esquerda e entrou no bar.  Lá dentro parecia ter entrado noutra era, de serenidade e elegância requintada, que contrastava com o caos urbano da Praça dos Trabalhadores onde estacionara o carro.  A luz era suave, a temperatura agradavelmente fresca, a música um jazz discreto.  Havia maples com estofos de couro verde escuro e um lambril de azulejos art-deco.  Sentou-se ao balcão e esperou.  Fátima tinha um sorriso cativante quando lhe perguntou o queria tomar. Paulo, atrapalhado, escolheu uma 2M. De facto, apenas bebia refrigerantes, mas ali não lhe parecia adequado pedir a habitual CocaCola.  A conversa com Fátima avançava fácil quando viu o medo nos olhos dela e sentiu nas costas a porta abrir-se e um corpo volumoso entrar com o calor da rua…

Manuel Rosário
Dezembro, 2022

Galeria de Imagens

Fotos de Manuel Rosário e Minnie Freudenthal

Ver mais

O rosto de Fátima transfigurou-se; tentou desviar o olhar, fingindo um falso à vontade mas não conseguiu disfarçar um ligeiro tremor da mão que segurava o copo. Paulo virou-se na direcção da porta e viu um homem alto e corpulento, vestido de fato claro e gravata, com um chapéu que

Partilhar
Escrito por

Médico Gastroenterologista, nasceu em Lisboa em 1951. Fez o curso de Medicina na Faculdade de Medicina de Lourenço Marques e Faculdade de Medicina de Lisboa. Fez a especialidade no Harlem Hospital em Nova Iorque. Vive em Lisboa desde 1986.

COMENTAR

Últimos comentários
  • Avatar

    Quem era esse vulto enorme que entrou no Bar?

  • Avatar

    Gostei muito. Mas fiquei curiosa….Texto muito bonito. Nunca fui ao Maputo, mas ao ler, ia sentindo a cidade

  • Avatar

    Manuel, o texto está muito bem escrito e descreve muito bem este inesperado bar, na estação de comboios de Maputo, onde também já estive. O texto é para continuar? Fiquei com uma dúvida: a Benvinda Mesquita e a Paula Mesquita são a mesma pessoa?

  • Avatar

    Então e o resto Manel ??? Isto é Coitus Interruptus !!!!

  • Avatar

    Muito bom. Quero mais!