De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...
 

Não há depravação em querer e ter que ter

A Economia era uma ciência que se manteve na periferia dos meus interesses até que, mais por necessidade profissional que por outra razão, lá tive que lhe prestar mais atenção, e o que se me tornou imediatamente óbvio é que é uma disciplina animada por um só princípio: consumo.

Dos seus axiomas mais simples à mais tortuosa matemática que empregue, a Economia desmorona-se quando se remove aquele único pilar. Não conheço outra ciência ou arte que dependa tão inteiramente de um só princípio.

De facto, arriscaria postular que o consumo é o eixo que nos articula a civilização. Não importa se o nosso consumo é ético ou nocivo, consciente ou impulsivo, guiado por publicidade ou por hábito, o consumo é o que suscita a produção, a produção é que rege o nível de emprego, a qualidade de vida, o poder de compra, e tudo que caiba entre os mais exaltados aspectos da nossa civilização e os seus mais abjectos resultados.

E, ainda assim, há indescritível beleza no nosso consumo, na maneira como o ritualizamos, como lhe atribuímos qualidades, como faz parte das nossas celebrações, das diferentes etapas da nossa vida. Consumimos para marcar nascimentos, baptizados, namoros, casamentos, vitórias e derrotas, bons dias e maus dias, a vida é impossível sem consumo, e em vez de nos esforçarmos por o pôr em segundo plano no acanhado palco da nossa moralidade – como se consumir fosse a origem de todo o pecado – a nossa felicidade provém de reconhecermos que o consumo é também uma expressão da Verdade: se a inteligência – essa marca fundamental da nossa humanidade – pode ser artificial, o consumo nunca o poderá ser. O consumo é sempre real, absoluto, omnipresente, algo que pode ser intermediado por máquinas, mas cujo término somos sempre nós.

Por fim, se o dinheiro é o éter que nos permeia a realidade, o consumo é a sua incarnação, a manifestação física dos aspectos intangíveis do dinheiro.

Adelino de Almeida
Fevereiro, 2024

Pintura de Tetsuya Ichida, fotos de Manuel Rosário

Ver mais

O dinheiro não traz felicidade, mas ajuda-nos a tolerar melhor a pobreza. Nasci e cresci com uma relação desconfortável com o dinheiro. Não porque não o tivesse, mas porque tivesse tão pouco que a vida era um constante balanço de opções, uma espécie de agonia a fogo lento que me

É à noite, quando a cabeça pesa no travesseiro, que os mais afortunados se apercebem daquele pequeno espaço que se abre constantemente por entre a torrente de pensamentos e memórias que nos impedem o sono. É nesse interstício que habita o profundo silêncio que nos permeia os dias. E é

Partilhar
Escrito por

Nasceu e cresceu em Lisboa, doutorou-se em Engenharia de Estruturas na University of Colorado at Boulder, e depois de décadas de uma carreira peripatética em consultoria de gestão, tenta agora reinventar-se como escritor e tem para publicação a sua primeira novela, The Sublime Eucharist of Alfred Packer.

COMENTAR

Últimos comentários
  • Avatar

    O CEO da maior fábrica da FORD acompanhava o chefe do sindicato de trabalhadores da indústria automóvel AWU numa visita guiada. Na linha de montagem, ao mostrar os robots em acção, tentou irritar o outro dizendo ªestes nunca fazem greveª
    ao que o sindicalista respondeu ªe eles compram os carros que aqui são produzidos ????ª

    • Avatar

      Resposta perfeita!