De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...
 

Mais perto das emoções

Imagine que está a cozinhar. 

É o seu momento de relaxamento e, por isso, tem o hábito de acender uma vela e pôr a sua música preferida a tocar. Muitas vezes, até se apanha a dar uns passos de dança enquanto orquestra os ingredientes, que, aos poucos, enchem a cozinha com um cheiro que abre o apetite e prepara o corpo para receber os nutrientes.

De repente, dispara o alarme. Fogo! 

O seu coração acelera, a tensão arterial sobe, a respiração é agora rápida e superficial e as mãos ficam húmidas enquanto o olhar procura a causa de tanta preocupação. Entretanto, o seu mood alterou-se. Já não sente aquele sentimento de expansividade e descontração. Aquele alarme levou o seu sistema para um modo de vigilância, de tensão e suspeita. Nem o cheiro da comida lhe parece já agradável.

Quando finalmente se senta à mesa, a comida não lhe sabe bem e nota que está impaciente com a família, que entretanto se tinha aproximado atraída pelo bom cheiro do jantar. Afinal, o alarme ao disparar, alertara o seu sistema de vigilância interior com impacto na fisiologia, na emoção e no estado de espírito.

O impacto foi da “célula à sociabilidade”.

Imagine agora, que esse alarme toca a toda a hora, como se estivesse hipersensível ou sofresse de um curto-circuito e lançasse, por tudo e por nada, o seu sistema num carrossel hormonal e emocional. O que diria se, por exemplo, disparasse cada vez que encontrasse alguém com quem tem que trabalhar diariamente?

E se se tratasse do alarme do seu sistema de vigilância interior? 

Adivinhou, é isso mesmo! Fomos raptados pelo alarme interior, sentimo-nos em constante estado de guerra e com o tempo ficamos exaustos, desinteressados ou excessivamente sensíveis aos que nos rodeiam.

Este é um caso extremo. Mas, todas as emoções e estados de espírito têm manifestações fisiológicas que tanto nos dão saúde como nos arrastam para desequilíbrios que podem levar, entre muitos problemas, à doença cardiovascular, obesidade, doenças degenerativas e a todo um leque de sofrimento mental.

Será esta emoção adequada?

As emoções expressam-se através do corpo, levando-nos para configurações posturais, neuro-imuno-hormonais, motivacionais e mentais. Podemos dedicar algum do nosso tempo a desenvolver dentro de nós um observador gentil, capaz de percecionar, sem julgar, estas configurações. É o primeiro passo para não nos identificarmos com a neurofisiologia, mas, sim, com essa capacidade humana de trazer o emocional para o palco da consciência e aí casar a razão com a emoção.

Casar a razão com a emoção

Ficamos, assim, capacitados para detetar mais precocemente as emoções e gerir conscientemente a intensidade e até a qualidade de cada emoção.

Não descuide as emoções. Não as apague e ignore.

Sinta-as no corpo e lide com elas com inteligência. As emoções são a energia da sua ação e direcionam os seus impulsos, mas mal geridas podem dar cabo da sua saúde.

Minnie Freudenthal
Novembro, 2021

Fotos de Manuel Rosário

Partilhar
Escrito por

Alice Minnie Freudenthal, médica Internista pelo American Board of Internal Medicine e Ordem dos Médicos Portuguesa. Áreas de interesse; neurociência, nutrição, hábitos e treino da mente. Curso de Hipnose clínica pela London School of Clinical Hypnosis. Curso de Mindfulness Based Stress Reduction. Palestras e Workshops de diferentes temas na área da neurociência para instituições académicas, empresas e grupos.

COMENTAR

Últimos Comentários
  • Avatar

    Ler a inteligência de quem sabe e ajuda a conhecer melhor.