De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...
 

Iran faces and fashion

Hoje ela sente-se ousada e veste a túnica vermelha.
Nas ruas o vermelho grita alto: sou mulher! Estou viva embora escondida.
Sobressaem-lhe grandes olhos rasgados,
O rímel, o lápis, o baton as sombras estudadas
acentuam o Feminino.
Um Feminino impossível de espartilhar!
Ela tem som nas vozes de mulheres a sussurrar,
ela tem desejo de se cobrir dourado por baixo do negro que a cobre no Bazar,
ela espreita numa franja ao ar o cabelo caído entre os olhos amêndoas,
olhos azeitonas,
olhos de fazer sonhar.
O Feminino sempre encontra um caminho.

É proibido! É proibido! É proibido!
O quê? Namorar?
Mas não é o que diz a poupa desenhada do rapaz.
Nos jardins olhares oblíquos cruzam desejos
Entre as janelas dos carros marcam-se encontros
Como é possível não namorar?
Esconde-se a mulher, esconde-se o amar.
E a vontade? Esconde-se? Ou cresce forte até se mostrar?

Os velhos já amaram,
já sonharam,
já viram a História mudar a cor da túnica,
já viram tristezas marcadas nas caras profundas
e que mais vão ver os velhos de olhos serenos?

Primaveras coloridas dormem à sombra dos tempos, enquanto as mulheres vão sendo mulheres, os jovens sonham namoricos e os velhos olham no presente o reflexo do que foram.

Minnie Freudenthal
Julho, 2011

iran faces and fashion
iran faces and fashion
iran faces and fashion

Fotos de Minnie Freudenthal, Manuel Rosário e José Luís Vaz Carneiro

Partilhar
Escrito por

Alice Minnie Freudenthal, médica Internista pelo American Board of Internal Medicine e Ordem dos Médicos Portuguesa. Áreas de interesse; neurociência, nutrição, hábitos e treino da mente. Curso de Hipnose clínica pela London School of Clinical Hypnosis. Curso de Mindfulness Based Stress Reduction. Palestras e Workshops de diferentes temas na área da neurociência para instituições académicas, empresas e grupos.

COMENTAR

Últimos Comentários
  • Avatar

    Que belas fotos, em que brilha a vida, e que belo texto, por onde corre um sangue oculto, cheio de esperança e alegria! É assim o futuro, lutemos por ele.