De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...
 

À beira do abismo

É sabido que a humanidade viveu várias concepções de tempo ao longo da sua História. Para os gregos, que acreditavam na reincarnação, o tempo processava-se por ciclos, o que quer dizer que, terminado um período, tudo voltava ao princípio. Outras civilizações antigas chegaram mesmo a admitir que no fim de cada ciclo se instalava o caos, do qual iria nascer uma nova ordem. Foi este recomeçar do tempo que Nietzche popularizou com o nome de “eterno retorno”.

O cristianismo, pela mão de São Paulo e de Santo Agostinho, iria introduzir um novo imaginário, o tempo linear que, tendo começado com a Criação, colocaria a humanidade, após o pecado original e o sentimento de privação que gerou, num percurso que só terminaria no “fim dos tempos” com a remissão do mal e o encontro com o Pai. Nascia assim a historicidade.

Após o Iluminismo e a progressiva laicização das sociedades, manteve-se o mesmo conceito de tempo linear, mas os conteúdos passaram a ser outros. A partir daí, o futuro, necessariamente melhor do que o passado, passou a apontar, já não para o encontro com o Pai, mas sim para a concretização de várias utopias, como por exemplo o regresso à natureza imaginada por Rousseau ou a sociedade sem classes profetizada por Marx. Nascia assim o “tempo utópico” que continha em si uma ideia de progresso, mas que iria perder sentido depois das tragédias que abalaram o século XX e que minaram definitivamente a crença nas “grandes narrativas”.

Actualmente, parece viver-se num tempo “espacializado”, fechado num quadro emoldurado, em que o passado, despido de historicidade, foi incorporado no presente pelas tecnologias e pelas montagens cinematográficas ou literárias e em que o futuro deixou de existir depois da pulverização das utopias. É um tempo repetitivo cheio de “agoras” em que predomina o pragmatismo e o individualismo, e no qual deixou de fazer sentido o sacrifício pelas grandes causas.

Aliás, basta olhar em volta. Carregamos num botão e podemos ter, a exibirem-se para nós em privado como se estivessem presentes, figuras do espectáculo ou da política desparecidos há décadas. Ao mesmo tempo, somos bombardeados por uma retórica repetitiva em que são usadas até à náusea palavras enigmáticas como “orçamento retificativo”, “deficit”, “reestruturação da dívida”, “orçamento cautelar”, etc., etc. A ideia de futuro como projecto de sociedade ou como promessa de encontro com utopias, deixou de estar presente na linguagem política para ser substituída por um calendário, também ele enigmático, do género: “em tantos de tal” negociamos a dívida, voltamos aos mercado e vemo-nos livres da troika.

Para o cenário do “tempo espacial” estar completo, são claros os sinais de que corremos o risco de ficar sem a última utopia que ainda nos restava: a democracia. Tanto para os optimistas que pensam, como Churchill, que ela é “o pior regime com excepção de todos os outros”, como para os pessimistas que acham, como Nelson Rodrigues, que ela “traz à tona a força numérica dos idiotas que são a maioria da humanidade”, a democracia, que chegou a ser associada, com generoso optimismo, ao “fim da História”, dá sinais de lidar mal com um tempo de “eternos presentes”. Minada pela falta de ética, pela corrupção, pelo oportunismo e, mais ainda, pela destruição da classe média, a democracia transmite hoje a imagem de que anda à deriva, sem rumo nem soluções.

Neste cenário, é possível prever o que irá acontecer? É difícil. Mas quando olhamos para o passado próximo, o século XX, e nos recordamos daquilo que os antigos pensavam sobre o tempo — uma eterna alternância entre o caos e a ordem –, é legítimo pensar que também nós estamos já a viver um tempo circular e ficamos preocupados. Resta esperar que os nossos políticos, e os políticos dos outros, tenham a cultura, a lucidez e a coragem necessárias para ter outra ideia de tempo e nos afastem do abismo.

António José de Barros Veloso
Artigo publicado no PÚBLICO, com o título O tempo e a política, 7 de Janeiro de 2014

Foto de Manuel Rosário

Partilhar
Escrito por

Barros Veloso, Médico Internista. Ex-Director de Serviço do Hospital dos Capuchos. Ex-Presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna. Co-Fundador da Sociedade Europeia de Medicina Interna. Presidente da Comissão de Ética para a Investigação Clínica (CEIC). Autor e co-autor de vários livros sobre azulejaria portuguesa, medicina e história do conhecimento científico. Músico de jazz.

COMENTAR

Últimos comentários
  • Avatar

    The past is never dead. It’s not even past. ( William Faulkner in Requiem for a Nun)

    Hoje em dia, sob a tirania dum público incultivado e alvar, para quem o passado é o que vêm nos filmes, vive-se uma Alzheimer invertida, onde só a memória recente prevalece. E os políticos eleitos refletem a obtusidade do povo.
    Mas o poder está oculto. Para nossa sorte. Imaginem que o Trump pode ser causa do que quer que seja. Já os EUA teriam deixado de existir.
    Esperemos que o poder seja razoável e responsável. Cruzemos os dedos.

  • Avatar

    Não podia ser mais actual!
    Tempos assustadores.