De A a Z, tudo se pode fazer DE OUTRA MANEIRA...
 

ISIS – O que diria a Rainha Zenobia?

ISIS

As despesas operacionais do ISIS* envolvem milhões de dólares. O uso sistemático de notas de banco como meio de pagamento é, em termos práticos, quase impossível. Manter ocultos os inumeráveis parceiros envolvidos nas trocas económicas correntes, é ainda menos possível. O uso do sistema electrónico internacional interbancário (SWIFT) parece-me inevitável. O que quer dizer estar o poder financeiro internacional perfeitamente ao corrente de quem paga quanto ao ISIS, de quem recebe quanto do ISIS. O que faz com que o poder financeiro e todo e qualquer interlocutor comercial do ISIS, sejam cúmplices nesta desgraça.

Isto é o que me parece. E entre o que me parece e o que sei, perco a força nas pernas. Soube agora que o templo de Bel em Palmira foi destruído. As torres funerárias também. Khaled Asaad decepado.

Há dois meses estive em Volubilis, em Marrocos. Sempre que posso, peregrino pelo que resta do Império, mas nunca estive na Palmira da rainha Zenobia.

Que a sombra de Adriano proteja as ruínas.

*Islamic State of Iraq and Syria

José Luís Vaz Carneiro

 


O que diria Zenobia?

Embora o castelo árabe no alto do monte seja do século XIII, Palmira, a cidade oásis tem memória Romana.

Em Palmira o deserto transforma-se num tapete verde acolhedor. No século I, devido à instabilidade da fronteira com a Turquia a norte, Palmira torna-se passagem das caravanas. É uma cidade sem impostos que protege quem por ali passa. No seu bazar podem comprar-se vasos fenícios, brocados persas, aromas da Índia e até seda da China. Para além dos Aramaicos locais há Judeus, Gregos, Egípcios e Árabes. As suas religiões misturam-se nos altares e pedidos das almas humanas.

No século III, Palmira sente-se ameaçada nas suas fronteiras e o seu príncipe é assassinado. Talvez pela sua mulher Zenobia! Ambiciosa sonha em tornar-se Chefe da metade oriental do Império Romano. É ela, Zenobia, que comanda as suas tropas.

A caminho da Pérsia é interceptada pelos Romanos e assim se acabam as ambições daquela mulher.

Diz-se que a levaram para Roma. Terá ficado em prisão domiciliária e casada com um Senador Romano.

Zenobia e Palmira não mais agitam a história. Os templos Romanos, como em tantos outros locais, foram transformados em igrejas e mais tarde em mesquitas.

E agora? Zenobia chora talvez a destruição do espírito acolhedor de Palmira.

De onde vem tanta raiva? Tanto desinteresse por mil e tantas outras histórias.

Minnie Freudenthal

Fotos tiradas em 2008 por Minnie Freudenthal e Manuel Rosário

Partilhar
Escrito por

Médico Hospitalar (EUA)

COMENTAR

Sem comentários